Fale conosco

(61) 3702-6602/3039- 6602

Ponto de atendimento

Agenda sua avaliação grátis

Veja as novidades

Acesse nosso blog

Microtia: entenda o que é

Microtia: entenda o que é

Você já ouviu falar em microtia? É uma doença que acontece em vários graus e tem origens variadas. A boa notícia é que há tratamento e este varia muito caso a caso. Vamos entender melhor, então, o que é microtia, suas causas e como tratar de forma a reverter a situação?  

Orelha pequena

As anomalias congênitas do pavilhão auricular apresentam grande variedade de formas clínicas. Uma delas é conhecida por microtia (que significa “orelha pequena”). Trata-se, portanto, de uma anomalia congênita caracterizada pela diminuição do tamanho da orelha, indicando uma orelha externa pequena, de forma anormal ou às vezes até ausente.

Vale lembrar que a maioria de pacientes portadores de microtia apresenta deformidades associadas em outras partes do corpo. Podendo comprometer a face, o coração, o tórax, membros superiores e inferiores.

Outros dados interessantes: a microtia pode ocorrer de um lado apenas (unilateral) ou de ambos os lados (bilateral). A primeira forma, a unilateral, é muito mais comum, ocorrendo em 90% dos pacientes. O lado direito é o mais afetado.

Graus de microtia

  • Grau I: desenvolvimento normal do canal auditivo, mas anormal do pavilhão auricular;
  • Grau II: orelha parcialmente desenvolvida, com canal auditivo estenosado, resultando em considerável perda auditiva;
  • Grau III: ausência do pavilhão auricular, apresentando somente uma diminuta estrutura vestigial, bem como ausência do canal auditivo e do tímpano. Esta é a forma mais comum de microtia;
  • Grau IV: ausência total da orelha e do canal auditivo. Também conhecida como anotia.

As anomalias do pavilhão auricular podem apresentar alterações nas estruturas do ouvido interno, médio e externo com repercussões diretamente na função auditiva.

Mas é importante destacar que tais alterações não são constantes e exibem diversificadas formas clínicas. Em 50% dos pacientes portadores de microtia, o conduto auditivo externo está presente, porém o distúrbio da audição ocorre em apenas 25% dos pacientes.

A presença do conduto auditivo externo não assegura função auditiva. Tanto é que existem pacientes com conduto, porém exibem distúrbio da audição e outros sem o conduto podem apresentar audição normal.

Que exames fazer? Quais as causas?

Exames de tomografia de crânio e face e, também, a audiometria podem favorecer a interpretação das anomalias estruturais associadas às malformações do pavilhão auricular. O médico otorrinolaringologista é o profissional adequado para pedir estes exames.

Embora as causas sejam, na maioria das vezes, congênitas (pode resultar do uso de isotretinoína durante a gestação, por exemplo), pacientes que apresentam as orelhas normais podem perdê-las parcial ou totalmente durante a vida causada por algum trauma.

Assim, o trauma orgânico pode produzir lesões estruturais em uma ou em ambas as orelhas determinando perda parcial ou total gerando desequilíbrio e alterações na harmonia facial.

Infelizmente, diversas causas podem destruir as orelhas, como queimaduras, acidentes de carro, agressões físicas (com faca, tesoura, etc), mordida de animais (cachorro, porco, capivara, etc) e mordida humana.

Além dos traumas, os tumores (câncer, hemangiomas, linfagiomas) e outras enfermidades, como a hanseníase e leishimaniose, igualmente podem se instalar em alguma região das orelhas e destruí-las parcial ou totalmente.

Os tratamentos: revertendo a situação

Dependendo do caso, a remoção da orelha é o único recurso de tratamento para salvar a vida dos pacientes. Após a cura da enfermidade e completa cicatrização das feridas, uma cirurgia pode promover a reparação ou a reconstrução de uma ou ambas as orelhas.

Para reconstrução de uma nova orelha, tanto nas deformidades de origem congênita, como adquiridas, é necessário realizar no mínimo duas etapas cirúrgicas.

Na primeira, o cirurgião cria duas estruturas fundamentais: o novo esqueleto cartilaginoso e o revestimento cutâneo para a nova orelha. Aqui ele pode usar materiais sintéticos, como nylon, polietileno ou silicone. O melhor elemento é a cartilagem da costela do próprio paciente.

Já para criar o revestimento cutâneo, o cirurgião deve utilizar a pele da própria região no paciente. Ele faz o descolamento da pele local e cria um túnel subcutâneo, onde é introduzido o novo esqueleto auricular.

O tempo entre uma cirurgia e outra é de cerca de 6 meses. E as intervenções cirúrgicas são realizadas em ambiente hospitalar.

Finalizando: os casos de microtia dependem do acompanhamento especializado de tudo que envolve a audição e, conforme o caso, o uso de aparelhos auditivos será importante e reconfortante.

Para saber mais sobre doenças que interferem na audição e, também, sobre os benefícios de um aparelho auditivo, continue nos acompanhando!

Teste grátis
Teste grátis

 

Compartilhe

FAÇA UM TESTE GRÁTIS

    Mais posts