Fale conosco

(61) 3702-6602/3039- 6602

Ponto de atendimento

Agenda sua avaliação grátis

Veja as novidades

Acesse nosso blog

4 razões para não adiar o tratamento da perda auditiva

Mulher incomodada porque não fez o tratamento da perda auditiva

Sabe-se que pacientes com perda auditiva demoram, em média, 7 anos para buscar um tratamento, a partir do momento em que recebem o primeiro diagnóstico do otorrinolaringologista. 

O problema desse dado é que, uma vez adiado o tratamento de perda auditiva, o paciente fica submetido a diversos riscos, comprometendo, inclusive, o sucesso do tratamento da perda.

De modo geral, o tratamento mais indicado para o problema é o uso de aparelhos auditivos, que estão cada vez mais discretos e eficazes. 

Para preservar sua autonomia e qualidade de vida, o paciente deve procurar auxílio de um médico otorrinolaringologista assim que os primeiros sintomas forem identificados.

Você sofre com perda auditiva, mas ainda não usa aparelho auditivo? Agende seu teste gratuito agora mesmo!

1. Agravamento da perda auditiva e aumento do aparelho

Quando iniciado precocemente e da forma correta, o tratamento da perda auditiva pode ter resultados muito eficazes, melhorando não só a audição do paciente mas, também, a sua qualidade de vida como um todo. 

De outro modo, conforme o tempo passa e o tratamento é adiado, a audição fica mais prejudicada e os resultados com os tratamentos podem ser menos eficientes. 

Além disso, conforme o problema é agravado pode ser necessário o uso de um aparelho auditivo maior, enquanto alguém que trata o problema precocemente pode obter grandes resultados com dispositivos mais discretos.

2. Ameaça ao estado físico do paciente

Enquanto o paciente não trata a sua perda auditiva, tarefas básicas de rotina — andar na rua, dirigir um carro, ou até mesmo passear com o cachorro — podem se tornar perigosas. 

Isso porque, com a audição prejudicada, o cérebro fica menos atento e o paciente passa a não ouvir pessoas pedindo licença, carros buzinando, alguém pedalando em sua direção.

Essa falta de percepção quanto aos sons presentes no ambiente pode acabar causando um acidente grave, colocando também outras pessoas em situações de risco.

3. Ameaça ao estado mental do paciente

Quando não tratada previamente, o paciente tende a se acostumar com a sua dificuldade auditiva sem sequer perceber seus impactos. Sua falta de interação com os sons, no entanto, pode gerar isolamento, perda de vontade de socializar e desânimo para realizar tarefas habituais. 

No momento em que a interação com outras pessoas se torna uma tarefa mais difícil e que gera mais esforço, é possível perceber que a pessoa tende a se afastar da família e amigos.

Depressão

Dentro do quadro apresentado, a chance do isolamento do paciente se tornar um quadro de depressão cresceu 40% nos últimos cinco anos, de acordo com os dados apresentados pelo pesquisador e audiologista Nicholas S. Reed.

A frustração e ansiedade também têm relação direta com o desenvolvimento da depressão durante o período pré-tratamento (e também precisará ser tratada com ajuda profissional). 

Saiba mais sobre a relação entre a depressão e a perda auditiva clicando aqui!

Demência (em especial o Alzheimer)

A memória no caso da perda auditiva é extremamente prejudicada, já que os sons percebidos com dificuldades tendem a ser esquecidos, o que leva à ligação direta com o Alzheimer. 

A sobrecarga cerebral também é uma observação importante, já que o esforço exigido para a realização de atividades que necessitam da percepção sonora é muito maior.

Nesses casos, o desenvolvimento da demência, principalmente para pessoas que já possuem uma predisposição, é mais provável e poderá acontecer de forma antecipada. 

4. Dificuldade na reabilitação auditiva

Quanto maior a demora para o início do tratamento de perda auditiva, pior será a reabilitação auditiva para o paciente. 

Conforme o tempo passa e o ouvido fica menos sensível aos sons, cria-se um costume com a situação. Os ruídos passam a ser ignorados, de modo que o paciente já não se lembra de como é ouvir barulhos de trânsito, buzinas ou campainhas, entre outros sons incômodos.  

Tudo isso pode tornar a adaptação aos aparelhos auditivos mais difícil para o paciente que voltará a ter contato com todos os sons.

Cansou de adiar o tratamento da sua perda auditiva? Cuide da sua saúde e previna-se de todos os impactos pontuados neste artigo.

Clique aqui para experimentar os aparelhos auditivos da Audiofisa por 7 dias grátis

Nós iremos te apresentar as melhores soluções, considerando o seu grau de perda auditiva, a anatomia dos seus ouvidos, bem como todas as suas condições de estilo de vida. Conte conosco!

Leia também: 

Compartilhe

FAÇA UM TESTE GRÁTIS

    Mais posts