Fale conosco

(61) 3702-6602/3039- 6602

Ponto de atendimento

Agenda sua avaliação grátis

Veja as novidades

Acesse nosso blog

O dia a dia do deficiente auditivo

Você consegue imaginar como é o dia a dia de um deficiente auditivo? Já não bastasse a dificuldade de ter uma deficiência auditiva, que afeta diretamente o paciente e quem o cerca, o preconceito prejudica ainda mais a convivência com o mundo.

A vida não é fácil para quem tem o sentido da audição comprometido. O deficiente auditivo é obrigado a aprender a linguagem de sinais (libras) e, também, a conviver com pessoas que nem sempre entendem essa deficiência como uma disfunção natural. Dedique-se ao conhecimento desse outro universo agora!

Deficiência auditiva: estatísticas

No Brasil, há mais de 10 milhões de pessoas com deficiência auditiva, segundo o Censo. Dentre esses, 2,5 milhões são portadores de deficiência auditiva severa, o que representa uma perda de 70 a 90 decibéis. Um milhão são jovens de até 19 anos.

A deficiência auditiva pode ser hereditária ou adquirida. A hereditária pode ser causada por infecções contraídas pela mãe durante a gestação ou por drogas que interferem na má formação do sistema auditivo do bebê.

A adquirida pode ter várias causas, incluindo acidentes e traumatismos cranianos ou até exposição a sons prejudiciais no ambiente de trabalho.

Deficiência auditiva na infância

Por incrível que pareça, até hoje deficientes auditivos sofrem com o preconceito. Muitas pessoas — principalmente os jovens — não utilizam o aparelho auditivo por vergonha ou mesmo para evitar situações constrangedoras de desrespeito. Há também bastante atraso no diagnóstico pela falta de informação que se tem sobre possíveis problemas auditivos desde a infância.

Por isso, destacamos a importância da luta pela inclusão diária de deficientes auditivos na comunidade e pelo entendimento real da limitação e de suas implicações. Conheça os principais direitos dos deficientes auditivos.

Dentre as obrigações e cuidados dos pais com um filho, está a realização do teste de audição logo nos primeiros meses de vida e durante todo o período escolar.

De outra maneira, problemas de audição não detectados podem levar o aluno à falta de aproveitamento — pela falta de escuta do conteúdo — e a diagnósticos equivocados, apontando, por exemplo, um déficit de atenção inexistente.

Tal descuido pode causar grandes atrasos com recuperação escolar, mas principalmente muitos problemas de autoestima para a criança e que, certamente, repercutirão em toda sua história.

O dia a dia do deficiente auditivo

Na idade adulta, o deficiente auditivo também passa por problemas causados pela falta de inclusão. Alguns exemplos:

  • O deficiente auditivo sente falta de sinalizadores luminosos (letreiros) para as mais variadas informações, como em filas de banco e repartições, ou mesmo no comércio, em lojas, feiras, exposições e outros;
  • As prestadoras de serviços de transporte, como rodoviárias, aeroportos, portos, onde todas as informações atualizadas de embarque e desembarque são prestadas pelo alto falante, obriga o deficiente auditivo a estar sempre acompanhado;
  • São comuns as filas especiais para idosos e deficientes. Mas o deficiente auditivo precisa enfrentar aqueles que duvidam da sua real condição. E ele precisa mostrar o aparelho na orelha, o que causa constrangimento;
  • Até no mais simples passatempo caseiro, que é assistir TV, o deficiente encontra dificuldade. Nem todos os programas oferecem a possibilidade de legendas. E quando fazem, são meio fora de sintonia ou com uma linguagem de difícil compreensão;
  • Boa parte da cultura não é acessível para o deficiente auditivo: música, teatro, cinema, cursos livres,…
  • Ao contrário de outras deficiências, o deficiente auditivo não tem o direito ao desconto para compra de automóveis;
  • Em caso de emergência, a pessoa portadora de deficiência auditiva apresenta bastante dificuldade para solicitar socorro via telefone;
  • Mesmo para aquisição de aparelhos auditivos, o deficiente auditivo não tem a mesma facilidade de isenção que têm outros portadores de deficiência, que se beneficiam de próteses, aparelhos e acessórios. O único benefício dado pelo Governo é o financiamento com juros um pouco menores por meio do Banco do Brasil.

Esses são apenas alguns pontos de dificuldade no dia a dia de um deficiente auditivo.

Vale lembrar que, hoje em dia, os aparelhos auditivos são muito desenvolvidos tecnologicamente e permitem aos deficientes auditivos uma boa qualidade de vida, minimizando bastante tais problemas citados.

Indique essa tecnologia e, se precisar, faça um teste do aparelho gratuitamente!

Compartilhe

FAÇA UM TESTE GRÁTIS

    Mais posts