Fale conosco

(61) 3702-6602/3039- 6602

Ponto de atendimento

Agenda sua avaliação grátis

Veja as novidades

Acesse nosso blog

Otosclerose e perda auditiva: qual a relação?

Otosclerose e perda auditiva

Dificuldade para ouvir alguns tons e para entender conversas, ruídos, distorções e hipersensibilidade. Esses foram alguns sintomas que o compositor Beethoven descreveu a amigos antes de perder totalmente a audição. Neste artigo, vamos explicar a relação entre otosclerose e perda auditiva, sendo a otosclerose uma doença que muitos profissionais da área acreditam que Beethoven teve e que imobiliza o estribo, um dos ossos do ouvido, podendo causar surdez.

Atualmente, cerca de 10% da população adulta no mundo tem algum sintoma de otosclerose, segundo especialistas. O diagnóstico é dificultado pela demora em procurar ajuda médica, já que a perda de audição é gradual e as pessoas acabam se acostumando a ouvir menos. No entanto, como ainda não há consenso entre os profissionais sobre a possibilidade de prevenir a doença, o melhor caminho para evitá-la é a consulta médica.

Apesar de a doença não ter cura, quanto mais cedo for diagnosticada, mais eficiente será o tratamento. Então, acompanhe o texto e, se perceber fatores de risco ou sintomas semelhantes, procure um otorrinolaringologista.

 

Qual a relação entre otosclerose e perda auditiva?

sistema auditivo humano é dividido em orelha externa, média e interna. Na orelha externa, as ondas sonoras são captadas e percorrem o canal auditivo, fazendo o tímpano vibrar; a orelha média conduz essa vibração até a cóclea, na orelha interna, com a movimentação de três pequenos ossos (martelo, bigorna e estribo). Uma vez na cóclea, as vibrações tornam-se sinais elétricos, que são levados pelo nervo auditivo até o cérebro, onde os sons são decodificados e interpretados.

Em uma pessoa com otosclerose, os movimentos do estribo são paralisados, devido a uma falha na formação dos ossos da orelha média e interna. Dessa forma, as vibrações sonoras não chegam até a cóclea e, consequentemente, ao cérebro, o que provoca perda auditiva classificada como condutiva.

 

Para saber mais sobre os tipos de perda auditiva, acesse:

Conheça os principais tipos de perda auditiva

Como é feito o diagnóstico de perda auditiva?

Quais são as causas?

Não existe consenso médico sobre as causas da doença, mas os profissionais acreditam que tenha origem genética e hereditária. Além disso, distúrbios vasculares, metabólicos, hormonais e autoimunes, infecções por vírus e traumatismos também podem levar à otosclerose.

Veja, a seguir, alguns fatores de risco:

  • Idade: na maioria das vezes, inicia entre os 20 e 30 anos, mas se agrava depois dos 50 anos;
  • Sexo: é mais frequente em mulheres do que em homens;
  • Etnia: afeta mais pessoas brancas do que negras e asiáticas;
  • Gravidez: em gestantes, a evolução pode ser mais rápida e a perda auditiva, mais grave.

 

  • Você sabe o que pode causar perda auditiva? Clique aqui e confira.

 

Quais os sintomas?

Em 70% dos casos, a otosclerose afeta apenas um ouvido e desenvolve-se de forma gradual. Pacientes também relatam dificuldade para ouvir sons de baixa frequência, zumbido, vertigens e problemas de equilíbrio

 

Como é feito o diagnóstico?

Para identificar a doença, o otorrino investiga sintomas e histórico familiar e solicita exames como audiometria tonal, impedanciometria, timpanometria, timpanograma e tomografia computadorizada. Os resultados revelam se há ossificação anormal ao redor do estribo e paralisação do mecanismo de transmissão sonora, confirmando a otosclerose, ou se pode haver outra causa para a perda auditiva.

 

Existe tratamento?

Embora não exista cura, a boa notícia é que o paciente com otosclerose (e que, consequentemente, desenvolve a perda auditiva) conta com eficientes opções de tratamento, que vão de aparelhos auditivos a cirurgias, além de medicamentos para reduzir a evolução da doença.

Em casos de perda auditiva mais leve, o uso de aparelhos demonstra bons resultados; já se o comprometimento da audição está num estágio mais adiantado, podem ser utilizadas tecnologias como os implantes de orelha média ou coclear. Em algumas situações, pode ser necessária a cirurgia para substituir o estribo paralisado por uma prótese.

 

Agora que você já conhece alguns sintomas e fatores de risco e sabe como se desenvolve a relação entre otosclerose e perda auditiva, fique atento e procure um otorrino caso perceba sinais da doença, especialmente se algum familiar já foi diagnosticado.

 

Se houver necessidade de aparelho auditivo, a Audiofisa está preparada para lhe ajudar desde a escolha do melhor dispositivo para você até os ajustes para o uso correto. Além disso, para garantir mais tranquilidade nesse processo, você pode testar, gratuitamente, um aparelho auditivo e avaliar sua adaptação. Solicite seu teste no DF:

 

Quero testar um aparelho com a Audiofisa!

Direitos do Deficiente Auditivo

Leia também:

O que é e como funciona a perda auditiva?

 

Compartilhe

FAÇA UM TESTE GRÁTIS

    Mais posts